Nossa carne é forte e segura!

A Polícia Federal merece todo o nosso respeito e admiração, tem feito um trabalho excelente apoiando as ações do Ministério Público e do Judiciário na Operação Lava-Jato, portanto, é difícil condenarmos uma ação como essa da operação “Carne Fraca” pois é claro que os corruptos precisam ser colocados na cadeia, sejam políticos, fiscais, executivos ou empresários.

Contudo, a crise de imagem a qual a agroindústria brasileira foi exposta é desnecessária. Até onde ví os problemas são pontuais e desconectados. Não justifica uma operação única que é a maior da história da Polícia Federal com mais de mil agentes nas ruas fazendo buscas e apreensões, dado o que foi divulgado.

É importante lembrar que o Brasil é primeiro no ranking em exportação de aves e bovinos e um dos primeiros em suínos. Nosso frango é exportado para 150 países, somos líderes mundiais há 10 anos nesse setor. No Brasil a Agroindústria gera 12 bilhões de dólares ao ano, ou quase 40 bilhões de reais.

Pra nós de Santa Catarina é ainda pior! A agroindústria representa perto de 30% do PIB Catarinense, ou seja, quase um terço da nossa economia depende disso. Dessa forma, a confiança abalada, mesmo que de forma injusta, demora pra ser reconquistada. E custa caro!

A forma com que a Polícia Federal divulgou a operação e o fato de ser a maior operação da história em número de agentes, automaticamente gera a preocupação de que o problema É MUITO GRANDE! Mas indo um pouco mais a fundo vemos que são problemas isolados e principalmente nós de Santa Catarina não temos nada a ver com isso.

O uso de carne de cabeça de porco em embutidos é permitida por lei em produtos previamente cozidos, como mortadela e salsicha. Em linguiça de churrasco, a chamada linguiça frescal, o uso não é permitido justamente porque ela não passa por cozimento. Foi essa irregularidade que a PF viu no áudio. A situação irregular é no Frigorífico Peccin que é a única unidade de Santa Catarina com esse problema e poderia ser identificada e punida individualmente. Não vejo nenhuma ligação disso com as empresas maiores com o a BRF por exemplo.

Já o alarme sobre o uso de conservantes cancerígenos por exemplo, é equivocado no sentido de que tais produtos são autorizados para uso em alguns produtos. O ácido ascórbico é a vitamina C. Na norma brasileira, não há imposição de limite ao uso de vitamina C. E convenhamos, quase tudo faz mal, veja o caso da Caramelo IV na Cola-Cola, pesquise pra ver.

E a história do papelão na carne é o maior dos absurdos! Existem um monte de outros produtos que podem ser adicionados na carne para dar peso que não fazem mal a saúde como por exemplo a proteína de soja. Colocar papelão na carne não faz sentido. O áudio interceptado diz respeito a embalagem, ouça o áudio pra você ver…

A divulgação dessa operação do jeito que foi feita, automaticamente exigiu uma resposta das nações importadoras do produto brasileiro.  Se você fosse o responsável pela importações na União Européia e vendo o noticiário o que você faria depois de ver que o Brasil fez a maior operação da história da PF por causa das irregularidades na carne brasileira? Eu faria o seguinte: Primeiro bloqueia tudo, pra depois ir conversar e ver se é verdade… e o que foi que realmente ocorreu.

Alguns dos maiores importadores de carne do Brasil anunciaram na segunda-feira, 20/03, restrições à compra do produto dentre eles a União Europeia, China, Coréia do Sul e Chile. Felizmente, hoje (terça, 21) A Coreia do Sul já voltou atrás.

Além disso, os números falam por sí só! Veja:

Existem 4.850 unidades de processamento de carnes. Apenas 21 estão sob investigações o que dá 0,43% do conjunto todo e apenas 3 estão com interdições o que representa 0,06% do total.

Então a maior operação da Polícia Federal com mais de mil agentes nas ruas executando mais de 300 mandados de busca e apreensão resultou em 0,06% das fabricas interditadas. Fiquei feliz, isso significa que nossa carne não é fraca, pelo contrário, é muito segura. Nossa carne é e vai continuar sendo uma das melhores do mundo!